Quem não sabe escrever, desenha

Caneta, Lente e Pincel,

O Poder da Morte

O poder da Morte ilumina a festa. Do mais claro ao mais negro aposento. Nas feições de alguns convivas ainda agonizantes – por certo os de mais forte estrutura – a máscara inexorável do Tempo que se esgota. E a Dor, a Dor dos que urram dentro dos trajes grudados em peles escalavradas, feridas, arruinadas, peles de onde purgam fétidos odores. E o Terror, o Terror dos olhos que percebem o quanto de mortal sempre há de haver no perpétuo. Máscaras que caem. O relógio retoma as badaladas: dez, onze, doze… treze. Mas como? É agora a Morte que se volta, feições marcadas de horror. Quatorze, quinze… Repara que todos ainda jazem, inertes corpos um dia aflitos, mas o Tempo. O relógio insiste, dezesseis, dezessete… A força do Tempo. O Pavor da Morte. Ela ouve um tropel. Sai cambaleando pelos corredores, as cores dos aposentos misturando-se à sua passagem, do salão azul ao purpúreo, deste ao verde, do verde ao alaranjado, ao branco, ao roxo, ao negro, os pensamentos do mundo se misturando numa aquarela louca. Sem entender bem o que fazia, do que tinha medo, de repente ela pára. Ouve um silêncio conhecido, o silêncio da coisa que nenhuma coisa é, o silêncio da coisa que se transforma em puro silêncio. Ela alcança a porta de saída, se vê diante de um deslumbrante e acinzentado lago e, seca e firme, ela grita.

clique na imagem pra ampliar. Bastante

Clique na imagem pra ampliar. Bastante

Texto de Ana Cláudia Calomeni.
Imagem de Marcelo Damm, inspirada no texto.

O Caneta é um coletivo do qual eu participo, onde à direita temos escritores e, à esquerda artistas plásticos, ilustradores, desenhadores e fotógrafos. Coluna na qual… olha eu aí!

Todo mês, numa análise combinatória tão bizarra que aleatória não define, os artistas mandam obras pros escritores, que criam textos inspiradas nas artes. E de vez em quando inverte, recebemos o texto e criamos uma arte. Essa é invertida.

Então, abaixo o forte e tenso texto da Ana Cláudia Calomeni, seguido da arte que eu criei inspirado nele.

Anúncios
Este post foi publicado em 10/02/2014 às 23:34. Ele está arquivado em Sem categoria e marcado , , , , , , , , . Guarde o link permanente. Seguir quaisquer comentários aqui com o feed RSS para este post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: